A triagem da infecção por citomegalovírus (CMV) requer ao laboratório entender o protocolo de testagem para a melhor escolha de um teste sorológico preciso e de qualidade. A introdução do teste de avidez pode fazer toda a diferença na rotina laboratorial e ao paciente 

O ensaio de avidez de IgG da Abbott ajuda os médicos a descartarem infecções primárias de alto risco, utilizando apenas a coleta de sangue inicial, ou seja, elimina a necessidade de testes de acompanhamento para muitos pacientes

Os marcadores sorológicos são aliados necessários para a avaliação do estágio de infecções e para a conduta médica ao tratamento. Nesse sentido, a triagem do CMV tem a transmissão congênita como um dos principais agravantes. Um algoritmo inteligente de testagem aponta que introduzir um teste de avidez no fluxo laboratorial1,2 evita um retorno da gestante ao médico e reduz em três semanas o tempo de espera pelo resultado3.

A infecção do CMV, que geralmente ocorre por meio de contato direto e prolongado com fluidos corporais infectados, incluindo saliva, urina e leite materno, pode transcorrer com poucos sintomas, então é determinante ao médico saber se a infecção é de alto risco para a melhor tomada de decisão.

De acordo com o algoritmo para triagem de CMV, a paciente com resultado positivo para IgM e IgG deve ser reavaliada após três semanas, com nova coleta de sangue. O ensaio de avidez de IgG da Abbott ajuda os médicos a descartarem infecções primárias de alto risco, utilizando apenas a coleta de sangue inicial, ou seja, elimina a necessidade de testes de acompanhamento para muitos pacientes.

Um resultado com alta avidez indica baixo risco de transmissão e, dessa forma, nenhum teste adicional é necessário. No caso de um resultado com baixa avidez, há alto risco de transmissão e um teste adicional é necessário.

Ensaios para doenças congênitas

A Abbott possui um painel completo de ensaios para detecção de infecções adquiridas pela mãe durante a gravidez que são suscetíveis à transmissão da mãe para o feto, podendo causar efeitos adversos graves no bebê e até mesmo morte fetal.

Para o diagnóstico do citomegalovírus são disponibilizados os ensaios IgM para CMV, IgG para CMV e Avidez de IgG para CMV para as plataformas Alinity i e ARCHITECT. Todos os testes utilizam um algoritmo inteligente para proporcionar detecção confiável em uma única amostra3.

Avidez com alta tecnologia

O teste de avidez IgG da Abbott possui a exclusiva tecnologia patenteada AVIcomp4,5,6, que agrega diversos benefícios frente a outros métodos de ensaio, como a eliminação do uso de reagentes agressivos, o aumento da sensibilidade para detectar infecções primárias de alto risco e melhor especificidade ao descartar infecções primárias de alto risco em comparação aos métodos à base de ureia.

A tecnologia também não requer o uso de agentes corrosivos que podem danificar os sistemas do instrumento e causar a contaminação cruzada em outros ensaios.

Para saber mais sobre o painel de doenças congênitas da Abbott, clique aqui.

Referências:

1. Griffiths, et al. J Pathol. 2015; 235: 288-297.

2. Prince, Lapé-Nixon. Clin Vaccine Immunol. 2014; 21: 1377-1384

3. Munro, et al. J Clin Microbiol. 2005; 43: 4713-4718

4. Maine, et al, inventors. Abbott Laboratories, assignee. US Patent 7,432,046. 2008.

5. Curdt, et al. J Clin Microbiol. 2009; 47: 603-613.

6. Lagrou, et al. J Clin Microbiol. 2009; 47: 1695-1699.

Todas as marcas mencionadas são marcas comerciais de empresas do grupo Abbott registradas em diversas jurisdições.

Tags:

Abbott, citomegalovírus (CMV), teste de avidez

Compartilhe: