Tecnologia facilita acesso da população a diagnósticos de imagem precisos e ainda reduz custos de clínicas e hospitais. O benefício é para todo o sistema de saúde

A telemedicina, se bem empregada, proporciona significativo retorno em ganho de produtividade e qualidade


O Brasil já passa de 210 milhões de habitantes. A expectativa de vida do brasileiro está em 80 anos e aumenta gradativamente. A projeção é que a taxa de natalidade diminua, anualmente, até o ano de 2046. À medida que a população cresce e envelhece, a assistência médica será cada vez mais necessária e cara. Os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a conta não vai fechar se a medicina continuar a ser praticada da forma tradicional em consultórios e hospitais.

O sistema de saúde tem vários atores: paciente, médico, operadora de saúde, hospitais, poder público, órgãos reguladores, investidores e a sociedade em geral. “Para sustentabilidade do setor, é necessária uma busca incessante por redução de custos por meio da otimização de processos e eliminação de desperdícios, o que contribui também para o aumento da qualidade”, disse Armando Lopes, Diretor Geral da Siemens Healthineers no Brasil. A empresa foi pioneira e é responsável pelos primeiros equipamentos produzidos de Raios-X. A tecnologia, por exemplo, é um recurso utilizado pela Medicina Diagnóstica, que auxilia efetivamente na tomada de decisão do corpo clínico, e ainda democratiza o acesso tanto geográfica como economicamente.

Segundo o Gerente Executivo de Estratégia, Produtos, Marketing e Inovação do Grupo Pardini, Hernan Firpo, o território é muito grande e não há uma distribuição adequada de investimentos em estrutura e equipamentos. As diferenças se agravam pela ausência de profissionais suficientes em diversas regiões do país, restringindo ainda mais o acesso à exames e procedimentos. “Com o telediagnóstico, por exemplo, conseguimos levar diagnóstico em radiologia e cardiologia para quem precisa, onde a pessoa estiver e com custo acessível. Não faz diferença se o paciente está no interior do Pará, no Nordeste ou mesmo no Vale do Jequitinhonha. Os pacientes têm acesso às mesmas tecnologias que oferecemos a quem está internado em um hospital de um grande centro como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte ou Porto Alegre”, explicou Hernan Firpo.

De acordo com Armando Lopes, a telemedicina, se bem empregada, proporciona significativo retorno em ganho de produtividade e qualidade. O diagnóstico pode chegar a todo o território, com a melhor relação custo-benefício. “São fatores fundamentais para garantir a sustentabilidade do nosso setor, que inevitavelmente resulta numa ampliação do acesso à saúde para a população”. Devido a sinergia da saúde com a tecnologia, é possível oferecer apoio diagnóstico como uma extensão do corpo clínico das instituições com ausência de profissionais para prestar o serviço, sem equipamentos adequados ou recursos financeiros para arcar com uma equipe médica completa e especializada. Aumentam as possibilidades de diagnósticos e tratamento de doenças. Assim, ganha a saúde dos brasileiros.

A Climrad – Clínica Médica e Radiológica, em Padre Paraíso, interior de Minas Gerais, há três anos utiliza o serviço de telecardiologia do Grupo Pardini. Para o sócio, Orly Pedroso Chagas, contar diariamente com o apoio no diagnóstico dá condições de oferecer aos clientes um serviço de qualidade, ágil e acessível. “Os clientes não precisam se deslocar até as cidades polo para realizarem seus exames e o custo fica muito acessível”, afirmou. O suporte da equipe médica responsável pela emissão dos laudos é também um diferencial. Ele conta o caso de um paciente que foi submetido a um eletrocardiograma. Logo que o resultado saiu, o médico da equipe de telemedicina do Grupo Pardini, avaliando a gravidade do caso, entrou em contato e sugeriu encaminhamento do paciente para emergência. O médico solicitante do exame também foi prontamente informado sobre o laudo e orientado a realizar o atendimento rapidamente.

Mas o serviço não leva benefícios somente para cidades do interior do Estado. Até mesmo na capital mineira, um hospital utiliza o serviço de teleradiologia do Grupo Pardini.  Localizado no Barreiro, um bairro distante do grande centro de Belo Horizonte, o Hospital Keralty oferece pronto-socorro adulto e infantil 24h. Graças a telemedicina, é possível já sair da urgência com diagnóstico preciso e tratamento adequado, sem ser necessário retornar ao hospital para posterior avaliação e busca de resultado.

Segundo a coordenadora de atendimento da unidade, Jeane Ferrante da Silva Caetano, um médico radiologista está disponível no local apenas dois dias na semana e em horário comercial. Para além desse horário, são os especialistas do Grupo Pardini quem avaliam e emitem os resultados dos exames radiológicos dos pacientes do hospital. “Como nosso atendimento é full time, contar com o serviço de telemedicina é a forma que encontramos para agilizar o atendimento dos pacientes que buscam nosso atendimento de urgência. E ainda, garantimos uma avaliação mais detalhada a respeito do quadro clínico do paciente”, explicou ela. Jeane destaca os inúmeros pacientes com suspeita de AVC, que somente é confirmado mediante tomografia. “Nesses casos, precisamos imediatamente do resultado, o que vem sendo prontamente atendido pelo serviço oferecido pela teleradiologia do Grupo Pardini. Sem contar o suporte de especialistas disponível a qualquer hora”, comentou.

De acordo com Hernan Firpo, do Grupo Pardini, por meio de um sistema seguro, certificado e desenvolvido para ser intuitivo para os usuários, chegam exames do Brasil inteiro que requerem suporte em questões operacionais, burocráticas ou para solicitar urgência. “É uma ponte humana entre o cliente e o laudo. Os médicos estão disponíveis 24 horas por dia, 365 dias no ano para colaborar na decisão médica através do apoio diagnóstico ou mesmo prestar consultoria técnica. Os profissionais podem ser acionados até mesmo para conferir uma segunda opinião dos resultados ou discutir com especialistas os casos mais complexos”, acrescentou Firpo.

Saiba mais sobre a Telemedicina do Grupo Pardini.

Tags:

Grupo Pardini, medicina diagnóstica, Siemens Healthineers, telediagnóstico, telemedicina

Compartilhe: