Essa colaboração definirá o limiar de anticorpos neutralizantes suficientes para conferir imunidade

A colaboração desenvolverá um novo processo para padronizar os ensaios SARS-CoV-2, ancorando cada proteína a um título de anticorpo de neutralização

Siemens Healthineers e os principais Centros de Controle e Prevenção dos Estados Unidos e da Comissão Europeia estão juntos nesse projeto de pesquisa para desenvolver um novo processo para padronizar os exames do SARS-CoV-2.

Como é feito atualmente?

Os testes de anticorpos produzidos por cada fabricante diferem entre si e não podem ser comparados analiticamente porque têm como alvos diferentes proteínas do SARS-CoV-2. Neles estão inclusas a proteína Spike, S1/S2, S1 RBD e proteína N, que são encontradas em diferentes partes do vírus. Conforme a pandemia evoluiu, os resultados dos testes de anticorpos progrediram de resultados qualitativos (positivos/negativos) para testes mais recentes capazes de medições numéricas que liberam o nível de anticorpos IgG na amostra de sangue de um paciente.

Os resultados numéricos dos pacientes, que podem ser relatados para os ensaios semiquantitativos atuais, são expressos em unidades que não são concentrações reais de anticorpos, mas sim a atividade do anticorpo perante o vírus. Como a comparação dos resultados dos testes entre os fabricantes não é possível, estabelecer a imunidade associada a esses testes tem sido um grande desafio.

A colaboração entre a Siemens Healthineers, o CDC e o JRC desenvolverá um novo processo para padronizar os ensaios SARS-CoV-2, ancorando cada proteína a um título de anticorpo de neutralização, ou seja, definir um nível de anticorpo presente suficiente para bloquear a entrada do vírus a célula. Os limites exibidos na unidade de medida padronizada para IgG – decorrentes de infecção natural ou vacinação – podem provavelmente contribuir para uma interpretação padronizada de imunidade por meio dos resultados dos testes.

Os resultados desta pesquisa colaborativa apoiarão a produção de um material de referência pelo JRC. Este material de referência, que contará com concentrações especificas atribuídas a cada anticorpo de cada proteína viral, permitirá que os fabricantes padronizem o teste com este material de referência. Com um padrão internacional estabelecido e adotado pelos fabricantes, os médicos poderiam acompanhar as concentrações de anticorpos de seus pacientes, independentemente do método de teste usado. A expectativa é que essa capacidade melhore o atendimento do paciente, permitindo a comparação dos níveis de anticorpos a longo prazo, além de informações clínicas que são importantes para verificar a imunidade natural adquirida pela infecção do paciente com o novo coronavírus e a determinar a eficácia das vacinas.

Tags:

exames do SARS-CoV-2, Siemens Healthineers

Compartilhe: