Projeto apoiado pela Fapesp avaliou pequenas moléculas de RNA que podem servir como biomarcadores de nefrotoxicidade, ajudando a identificar risco de dano renal associado ao uso de medicamentos

O projeto “MicroRNAs como possíveis biomarcadores de nefrotoxicidade induzidas pela cisplatina em pacientes com câncer de cabeça e pescoço”, conduzido com apoio da Fapesp na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), foi escolhido o “Melhor Trabalho Científico” do 20° Congresso Farmacêutico de São Paulo.

No estudo, coordenado pela professora Patrícia Moriel, foram estudadas pequenas moléculas de RNA que podem servir como biomarcadores de nefrotoxicidade, ou seja, indicar que certas substâncias químicas, entre elas medicamentos, podem causar danos aos rins.

“Sabemos que os medicamentos para tratamento do câncer causam muitos eventos adversos nos pacientes, como náusea, vômito, problemas renais, entre outros. Com esse estudo, buscamos encontrar biomarcadores que auxiliem na prevenção”, disse Moriel em entrevista para a Assessoria de Imprensa da FCM.

O estudo foi realizado por Júlia Coelho França Quintanilha, Maria Cursino, Pedro Vasconcelos, Thiago Cobaxo, Nadine Torso, Larissa Bastos, Jéssica Beatriz Borges, Mario Hirata e Carmen Silvia Passos Lima.

O congresso foi realizado em outubro de 2019, em São Paulo, no Centro de Convenções Frei Caneca. Foram inscritos 600 trabalhos científicos.

Tags:

biomarcadores de nefrotoxicidade, moléculas de RNA

Compartilhe: