O novo coronavírus, chamado cientificamente de Covid-19, já infectou, até o momento, quase 2 milhões de pessoas. A sua rápida e fácil proliferação tem causado grandes problemas econômicos, sociais e governamentais em todo o mundo.

Grandes centros mundiais, como os Estados Unidos, estão enfrentando muitas dificuldades para conter os danos causados pelo vírus. Somente no país estadunidense, 432.438 pessoas já foram infectadas. Um dos principais motivos é a falta de materiais básicos, como máscaras e testes.

A Coreia do Sul tem ido em contramão ao resto do mundo, conseguindo controlar facilmente a propagação da Covid-19. Um dos principais fatores adotados pelo país asiático tem sido o teste em massa. Já em janeiro, o país se reuniu com os principais laboratórios do país para produzir testes. Estima-se que em março, 100 laboratórios sul-coreanos já estavam distribuindo seus diagnósticos ao mercado nacional.

A estratégia foi apontada pela OMS como essencial para o controle da epidemia mundial, porque os países poderiam isolar as pessoas infectadas, evitando o contágio social. Confira o posicionamento do Tedros Ghebreyesus, diretor-geral da entidade: “Não se consegue combater um incêndio com os olhos vendados, você não consegue parar essa pandemia se não souber quem está infectado”.

Situação no Brasil

O Brasil tem aplicado uma baixíssima quantidade de testes, se comparado ao resto do mundo. Com uma população de 217 milhões de habitantes, o país realizou somente 67 mil testes. A título de comparação, a Alemanha está aplicando 500 mil testes por semana, sendo que o país possui apenas 81,4 milhões de habitantes, quase ⅓ da população brasileira.

Mundialmente, existem dois tipos de testes disponíveis, sendo eles o PCR e o de anticorpos. Ambos estão disponíveis no Brasil, porém, com a necessidade de materiais importados para sua produção, em falta pela alta demanda mundial, há poucos testes à disposição, que estão sendo aplicados apenas em casos mais extremos.

A expectativa é que nos próximos dias, mais laboratórios comecem a produzir e analisar os resultados dos testes de Covid-19. O próximo desafio será distribuí-lo por todo o território nacional.

O desafio logístico para a distribuição dos testes

O Brasil é o maior país da América Latina, possuindo mais de 8,5 milhões de quilômetros quadrados de extensão. O coronavírus está sendo disseminado de Norte a Sul do país, chegando até mesmo na tribo indígena da etnia Kokama, localizada a 880 Km de Manaus, praticamente na fronteira com a Colômbia.

Além das adversidades territoriais, a logística laboratorial exige muitas particularidades em relação ao transporte de cargas comum. São necessárias muitas práticas e adaptações para poder atuar nesse segmento. Os serviços são fiscalizados e autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a fim de garantir que não ocorram danificações aos testes ou material genético coletado.

Entre as principais necessidades especiais, está implícita a obrigação de uma frota adaptada, com refrigeração especial interna, com total controle da temperatura, e espaço planejado para cada tipo de material distribuído. As entregas dos materiais genéticos coletados devem ser entregues em até 72 horas em todo o território nacional, conforme as exigências da resolução 691 do Dentaran e Contran.

Os testes, como qualquer material laboratorial, devem ser condicionados a tratamentos específicos, logo, os profissionais logísticos, como os motoristas e ajudantes, devem ter total ciência das práticas corretas de manuseio, acondicionamento e armazenagem, garantindo que ele chegue no menor tempo hábil, e com integridade garantida.

O Grupo Prime Cargo, empresa logística com mais de 15 anos de experiência, tem sido pioneiro na distribuição de teste da Covid-19 por todo o país. O principal motivo da expertise apresentada pela empresa é por possuir desde 2010 soluções disruptivas para a logística laboratorial.

O serviço exclusivo da Prime Cargo fornece para seus clientes dos ramos laboratorial e hospitalar, um acompanhamento online sobre os testes e materiais genéticos, podendo saber em tempo real a localização do veículo, temperatura interna da frota, previsão do tempo de chegada, hora de coleta, solicitação de distribuição, entre outras funcionalidades únicas.

Mais informações:
Tel.: 0800 591 4110
Tel.: (11) 4280-9110
Tel.: (11) 97335-4472
[email protected]

Tags:

covid-19, Grupo Prime Cargo, logística laboratorial, novo coronavírus

Compartilhe: