Na parte final da apresentação, houve um debate entre o jornalista e os diretores da CBDL como Vitor Muniz Jr (vice-presidente), Fernando Jorio, Fulvio Facco e Jaime Atalaia

O evento de comemoração dos 30 anos da CBDL (Câmara Brasileira do Diagnóstico Laboratorial), realizado na última quinta-feira, 16 de dezembro, contou com a apresentação de uma palestra magna proferida pelo jornalista econômico Andre Lahoz Mendonça de Barros.

O jornalista iniciou sua explanação falando sobre as transformações ocorridas no mundo com o advento da pandemia da Covid-19, entre elas, um mundo mais conectado e novas formas de comunicação. No entanto, a desigualdade social, de acordo com ele, cresceu muito nos últimos dois anos, uma vez que a taxa de extrema pobreza aumentou.

Por outro lado, na opinião do jornalista, o mundo se tornou mais sustentável e com um apoio maior à economia verde, isto é, uma preocupação com a recuperação da economia atrelada à questão ambiental.

“Nos países desenvolvidos podemos observar um forte crescimento econômico, mas com muitos desequilíbrios e o Brasil não tem conseguido manter esse ritmo”, disse ele que prevê uma tendência de gastos mais parrudos com a saúde e a previdência. “Isso já tem indícios significativos como uma taxa de mortalidade menor, inclusive a infantil. A expectativa de vida aumentou, com exceção da época de pandemia”.

Lahoz destacou também o autoritarismo político e a democracia sob pressão. “Trata-se de um mundo mais radicalizado. Se você toma a vacina você é um tipo de pessoa, se não toma, é outro tipo de pessoa. Teremos que lidar com um mundo mais radicalizado, infelizmente”, frisou o jornalista que destacou a resistência contra a vacinação como uma grande surpresa, uma vez que este tema não deveria ser objeto de nenhuma radicalização, já que a prática era consolidada no mundo.

O economista também evidenciou o aspecto de um mundo mais inflacionário ao mostrar indicativos econômicos dos Estados Unidos, além de problemas na produção e desequilíbrio na balança.

Já no cenário brasileiro, o jornalista reiterou sua perspectiva um tanto pessimista com a economia parada e a recessão, com a elevação da taxa de juros e as avaliações negativas do governo atual.

Na parte final da apresentação, houve um debate entre o jornalista e os diretores da CBDL como Vitor Muniz Jr (vice-presidente), Fernando Jorio, Fulvio Facco e Jaime Atalaia.

Tags:

30 anos da CBDL

Compartilhe: