A preocupação é para o ano todo, mas é no Carnaval que o número de casos aumenta. O relaxamento da população no uso de preservativos e a elevação no número de exames laboratoriais para detecção de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) depois do Carnaval, são indícios de que estas infecções se espalham mais facilmente nessa época festiva.

Esse relaxamento da população é consequência das pessoas acreditarem que se forem infectadas, basta apenas tratar, não sendo necessário o uso de preservativo.

Dados da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES/MG) comprovam o aumento de casos de IST nesse período. Em fevereiro de 2018, Minas Gerais notificou 1.039 casos de sífilis, após o Carnaval, no mês de março, o número de casos notificados foi para 1.295. O mesmo padrão foi observado em 2017.

Dados recentes publicados pelo Boletim Epidemiológico de Sífilis 2018 do Ministério da Saúde, mostram que foram notificados 479.730 casos de sífilis adquirida no Brasil de 2010 até junho de 2018, só no ano de 2017 foram 119.800 casos.

A taxa de detecção passou de 14,4/100 mil habitantes em 2012 para 58,1/100 mil habitantes em 2017.

A população mais afetada pela sífilis são as mulheres, principalmente as negras e jovens, na faixa etária de 20 a 29 anos. Na comparação por sexo, os homens nessa mesma faixa etária representam apenas 13,6% e as mulheres 26,2% do total de casos.

A infecção pelo vírus HIV e casos de AIDS também aumentaram nos últimos anos. De 2007 até junho de 2018, foram notificados 247.795 casos. Entre os homens, foi observado um incremento na taxa de detecção na faixa de 15 a 19 anos, passando de três para sete casos, por 100 mil habitantes, entre 2007 e 2017.

O aumento dessas doenças é observado tanto no sistema público quanto no privado de saúde. Quanto mais cedo a infecção for detectada e o tratamento iniciado, é possível interromper a transmissão da doença.

A ECO Diagnóstica possui o teste rápido imunocromatográfico para detecção de anticorpos específicos para o HIV-1, incluindo subtipo O, HIV-2 e Sífilis simultaneamente em amostras de soro, plasma e sangue total venoso e capilar (ponta do dedo).

O teste foi validado pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS)/Fiocruz-RJ com sensibilidade de 100% e especificidade de 99,5% em mais de 880 amostras testadas.

O procedimento do teste é simples, utiliza apenas 10uL de soro/plasma ou 20uL de sangue total venoso/capilar e libera o resultado após 15 minutos.

Para mais informações: [email protected].

Fontes:

Jornal estado de Minas: Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/nacional/2019/02/23/interna_nacional,1033058/carnaval-e-prevencao-medicos-alertam-para-aumento-de-sifilis-e-hiv.shtml

Boletim Epidemiológico Sífilis 2018. Disponível em: file:///C:/Users/qualidade3/Downloads/boletim_sifilis_04122018.pdf

Boletim Epidemiológico HIV AIDS 2018. Disponível em: file:///C:/Users/qualidade3/Downloads/boletim_hiv_aids_12_2018.pdf

Tags:

ECO Diagnóstica, HIV, Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), sífilis, Teste Rápido Imunocromatográfico

Compartilhe: