O estudo avaliou a utilidade do Banyan BTI™, um exame de sangue para diagnóstico, para eliminar a necessidade de tomografia computadorizada em pacientes com suspeita de lesão cerebral traumática leve, ou concussão, que procuram o pronto-socorro dentro de 12 horas a contar da ocorrência.

O Banyan BTI identifica dois biomarcadores de proteína específica do cérebro: Ubiquitina C-terminal Hidrolase-L1, ou UCH-L1, e Proteína Ácida Fibrilar Glial, ou GFAP

Banyan Biomarkers, Inc., pioneira no desenvolvimento de biomarcadores para lesão cerebral traumática (traumatic brain injury – TBI), anunciou a publicação dos resultados do estudo ALERT-TBI, um ensaio clínico multicêntrico internacional utilizando o indicador de trauma cerebral Banyan (Banyan Brain Trauma Indicator®– Banyan BTI™). O Banyan BTI é um exame de sangue para diagnóstico usado pare eliminar a necessidade de tomografia computadorizada da cabeça em pacientes acima de 18 anos de idade com suspeita de lesão cerebral traumática. Os resultados, publicados no The Lancet Neurology, apoiam a função clínica do teste de biomarcadores para eliminar a necessidade de tomografia computadorizada da cabeça entre pacientes com lesão cerebral traumática no pronto-socorro que normalmente seriam submetidos a esse procedimento.

O estudo ALERT-TBI envolveu pacientes em 22 unidades clínicas independentes nos Estados Unidos e na Europa e comparou os resultados dos testes da Banyan BTI com tomografias computadorizadas da cabeça de pacientes que procuraram o pronto-socorro com suspeita de lesão da cabeça. A análise de 1.959 pacientes do estudo apresentando uma Escala de Coma de Glasgow inicial de 9-15 mostrou que o Banyan BTI atingiu alta sensibilidade (97,6%) e alto valor preditivo negativo (VPN) (99,6%) para eliminar a necessidade de tomografia computadorizada da cabeça para esses pacientes.

O Banyan BTI identifica dois biomarcadores de proteína específica do cérebro (Ubiquitina C-terminal Hidrolase-L1, ou UCH-L1, e Proteína Ácida Fibrilar Glial, ou GFAP) que rapidamente aparecem no sangue depois de uma lesão do cérebro. Em fevereiro, a Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA) concedeu à Banyan Biomarkers autorização para marketing e comercialização do Banyan BTI, para ajudar na avaliação de pacientes com suspeita de lesão cerebral traumática, ou concussão. Há outro biomarcador, o S100B, que tem adoção limitada na Europa, mas não está aprovado para uso nos Estados Unidos.

“O exame de sangue atende a uma importante necessidade de saúde pública para reduzir o número de tomografias computadorizadas desnecessárias, particularmente entre os pacientes com lesão cerebral traumática leve – também chamada concussão – que representa mais de 85% de todas as lesões cerebrais traumáticas. Na medicina emergencial, as tomografias são geralmente usadas na avaliação desses pacientes, apesar de menos de 10% das tomografias revelarem uma anormalidade”, disse Jeff Bazarian, MD, MPH, pesquisador principal do estudo, um dos principais autores da publicação e professor de Medicina Emergencial e Neurologia da Faculdade de Medicina da The University of Rochester. “Esse extenso estudo clínico mostra que esses dois biomarcadores cerebrais baseados em sangue podem prever a ausência de lesão intracraniana e reduzir o uso desnecessário de tomografia computadorizada da cabeça, dessa forma reduzindo a exposição à radiação e os custos de assistência à saúde, ao mesmo tempo melhorando a assistência ao paciente e a eficiência do pronto-socorro”.

“Este ensaio amplo, prospectivo, multicêntrico confirmou a capacidade do Banyan BTI para eliminar a necessidade de tomografia computadorizada em pacientes com suspeita de lesão cerebral traumática dentro de 12 horas a contar da ocorrência da lesão. A FDA analisou e autorizou a divulgação do teste em menos de seis meses, como parte do seu programa de dispositivos inovadores (Breakthrough Devices Program)”, disse Henry L. Nordhoff, presidente do conselho e diretor executivo da Banyan Biomarkers. “Estamos trabalhando junto com nossos parceiros comerciais para disponibilizar o exame em hospitais e no pronto-socorro.”

A empresa está também engajada em estudos adicionais sobre lesão cerebral traumática para avaliar os biomarcadores em concussões relacionadas a esportes em adolescentes, e para monitorar a recuperação de lesão cerebral.

Tags:

Banyan Biomarkers, biomarcadores para lesão cerebral traumática

Compartilhe: