Para os ensaios qPCR não é mais necessário testar dois ou três alvos, o que representa uma redução de custos e ampliação do acesso ao teste para população.

Em julho de 2020, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), que atua como escritório regional da Organização Mundial da Saúde para os países da América, publicou as diretrizes laboratoriais para a detecção e o diagnóstico da infecção pelo vírus responsável pela Covid-19.

Uma das mudanças abordadas na publicação é um novo protocolo indicando a testagem do gene E para detectar o vírus SARS-CoV-2, não sendo mais necessário testar dois ou três alvos do vírus. Para acessar a diretriz clique aqui.

Algoritmo de detecção molecular

1. Ao usar o protocolo de referência Charité. Se estiver usando um protocolo diferente, siga os critérios de positividade indicados.

2. Na ausência de outros Sarbecovírus, detectados em amostras humanas, em circulação global, um resultado positivo com o gene E do protocolo de referência Charité confirma a detecção.

3. Presume-se que a amostra foi colhida corretamente e que todos os processos necessários foram seguidos para garantir a qualidade. Informações clínicas e epidemiológicas também devem ser consideradas antes de descartar o caso.

4. Os laboratórios devem utilizar controles de qualidade negativo e positivo adequados para assegurar seus resultados.

5. Com base em protocolos de vigilância e recursos disponíveis. Outros vírus respiratórios também podem ser detectados.

Fonte: Adaptado de https://iris.paho.org/handle/10665.2/52471

Devido à alta demanda de testes moleculares por PCR, que são indicados para a fase aguda da infecção por SARS-CoV-2, essa nova diretriz é muito positiva e pode contribuir na redução dos custos com as testagens, pois otimiza a utilização de insumos pelo laboratório, o que pode consequentemente ampliar o acesso da população brasileira aos testes.

Pioneira na tecnologia de PCR, a Roche mostra mais uma vez a inovação em seu DNA e o compromisso em oferecer soluções em saúde que possam auxiliar os profissionais da área, sendo uma das primeiras empresas a lançar os ensaios RUO (Research Use Only) por PCR em tempo real (RT-qPCR) para detecção do SARS-CoV-2, em janeiro deste ano.

Chamados de LightMix® Modular, os kits desenvolvidos pela TIB Molbiol, parceira global da Roche Diagnóstica, são prontos para uso e possuem controle positivo com a possibilidade de inclusão de controle interno, o que garante resultados confiáveis e de qualidade. Além do ensaio para SARS-CoV-2, há uma ampla variedade de ensaios para diferentes patógenos, incluindo o vírus Influenza, citado na diretriz da OPAS.

“Temos muito orgulho em anunciar a campanha AMPLIA PCR COVID que tem como objetivo levar ao mercado testes de PCR, chamados LightMix® Modular, que seguem o protocolo de referência de Charité, indicado pela Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, em concordância com a diretriz da OPAS¹²³. A campanha foi desenhada para viabilizar a implementação de testes de PCR de alta qualidade e confiabilidade, mesmo em laboratórios menores, gerando assim, maior acesso dos testes à população”, diz Karen Yamada, gerente de produtos, de soluções moleculares da Roche Diagnóstica.

Para saber mais sobre o LightMix® Modular clique aqui ou entre em contato com um representante Roche.

Referências:

– Instruções de uso (bula) LightMix® Modular SARS-CoV (COVID19) E-gene

– Instruções de uso (bula) LightMix® Modular SARS-CoV-2 (COVID19) RdRP

– Instruções de uso (bula) LightMix® Modular SARS-CoV (COVID19) N-gene

– Produto para Ciências da Vida, não indicado para Diagnóstico de Uso in vitro.

Tags:

covid-19, ensaios qPCR, Roche

Compartilhe: