O diagnóstico precoce da doença e do seu subtipo é responsável por uma jornada de tratamento mais assertiva e com maior qualidade de vida para o paciente

Nem todos os hospitais contam com médicos especializados em hematologia, laboratórios próprios para a realização de um mielograma, ou uma estrutura dedicada à LMA

Muito se fala sobre a leucemia como um todo, um câncer que se desenvolve na medula óssea, interferindo na formação de células sanguíneas saudáveis. Mas, pouco se sabe da Leucemia Mieloide Aguda (LMA), o tipo mais grave da doença, com rápida progressão e o mais comum em adultos¹. Ela acomete pessoas de todas as idades, mas tem maior incidência em idosos acima dos 60 anos, muitas vezes já com outras comorbidades. Por isso, para auxiliar na sua conscientização, o dia 21 de abril foi escolhido para marcar o ‘Dia Mundial da Sensibilização para a Leucemia Mieloide Aguda’.

Mas quais são os principais sintomas que as pessoas devem ficar atentas? De acordo com a gerente médica da Astellas Farma Brasil e líder da área de onco-hematologia, Dra. Elisângela Ribeiro, os sinais mais frequentemente relatados pelos pacientes com LMA são a perda de peso, perda de apetite, fadiga, febre e transpiração noturna2. “Como a LMA está relacionada à diminuição da produção de células sanguíneas normais, ou seja, quando as células leucêmicas tomam conta da medula óssea, algumas mudanças podem ser diagnosticadas nos exames de sangue. Além dos sinais facilmente perceptíveis, essas alterações provocam, também, sintomas como cansaço e falta de ar, devido à anemia, que ocorre por escassez de glóbulos vermelhos; infecções e febre, por conta da diminuição dos glóbulos brancos; e sangramentos e hemorragias, em razão da diminuição das plaquetas”3, esclarece.

O tratamento da leucemia mieloide aguda deve ser iniciado logo após o diagnóstico, já que a doença pode progredir de forma muito rápida no organismo. “O ciclo de tratamento é, normalmente, administrado com o paciente em ambiente hospitalar, devido ao risco de efeitos colaterais graves4. Entre as opções de tratamento disponíveis, estão a quimioterapia, terapias-alvo, transplante de medula óssea e os agentes hipometilantes3”, complementa Dra. Elisângela.

Para um tratamento mais assertivo contra a LMA, é preciso entender seus subtipos, já que alguns dos pacientes apresentam certas mutações genéticas que podem certificar um melhor ou pior prognóstico, e assim auxiliar na definição do melhor caminho na luta contra a doença. “Aqueles com mutação no gene FLT3, por exemplo, apesar de ser o mais comum entre os pacientes, tendem a ter uma evolução com mais desafios. Devido a isso, estes pacientes necessitam de terapias mais agressivas para buscar o controle da doença. Caso haja a identificação adiantada dessa mutação, maior será a possibilidade de sobrevida e com mais qualidade de vida para o paciente5”, explica a médica.

Infelizmente, no Brasil ainda existe certa dificuldade no diagnóstico da LMA. Nem todos os hospitais contam com médicos especializados em hematologia, laboratórios próprios para a realização de um mielograma (um dos exames necessários para o diagnóstico da doença), ou uma estrutura dedicada à LMA. Há dificuldade também na identificação da mutação do gene FLT3, o exame não estava contemplado no rol de procedimentos da ANS – Agência Nacional de Saúde Suplementar, que disponibiliza medicamentos e procedimentos aos planos de saúde, mas foi incluído agora em 2021. “Felizmente, tivemos a boa notícia da inclusão do exame para a identificação da doença na lista da ANS, mas ainda assim o investimento na área de diagnóstico é primordial para a melhora do tratamento da LMA, no país.”, alerta Dra. Elisângela.

Devido a todas as dificuldades e desafios que os pacientes vivem durante a jornada de tratamento, uma das coisas que não pode faltar é o apoio de seus cuidadores, sejam familiares ou amigos. Esses entes queridos são quem os ajudam a manter um senso de normalidade, a cuidar das pendências e são as pessoas que irão confortá-los nos momentos mais difíceis. “Poucas coisas podem nos desestabilizar de uma forma tão avassaladora como a descoberta de uma doença como a LMA, por isso esse suporte é tão importante para os pacientes. A rotina dentro de um hospital é cansativa, tanto para o paciente quanto para quem cuida, é preciso muita força para enfrentar essa jornada conjunta”, completa Dra. Elisângela.

Referências

1. De Kouchkovsky I, Abdul-Hay M. Blood Cancer J. 2016 Jul 1;6(7):e441.

2. Mercado privado em foco: LMA na saúde suplementar. Astellas 2020.

3. LMA – Tudo sobre a Leucemia Mieloide Aguda. ABRALE. Disponível em: https://www.abrale.org.br/wp-content/uploads/2020/07/Manual-de-LMA.pdf

4. Estatística para a Leucemia Mieloide Aguda. Oncoguia. Disponível em: < http://www.oncoguia.org.br/conteudo/estatistica-para-leucemia-mieloide-aguda-lma/7944/331/. Acesso em. 29 de set. de 2020.

5. Acute Myeloid Leukemia (AML) In Adults. Disponível em  https://www.cancer.org/cancer/acute-myeloid-leukemia/detection-diagnosis-staging/signs-symptoms.html. Acesso em 26/09/2020..

Tags:

células sanguíneas, Leucemia Mieloide Aguda, medula óssea

Compartilhe: