Com investimento de R$ 60 milhões, multinacional oferece produtos para coleta de amostra biológica, com tecnologia avançada e automação

Dos 6000 metros quadrados de área construída, 1500 são destinados à fábrica, 3000 ao depósito e 1500 à área administrativa

O Grupo Sarstedt, multinacional alemã de equipamentos e consumíveis para a ciência e medicina, inaugurou, em Porto Feliz, SP, a primeira fábrica na América Latina, com a geração de 150 empregos. Instalada em um espaço de 7000 metros quadrados e com um investimento de mais de R$ 60 milhões, a unidade vai sediar também o centro de distribuição e escritório administrativo da empresa no Brasil, onde já atua comercialmente há 20 anos. Dos 6000 metros quadrados de área construída, 1500 são destinados à fábrica, 3000 ao depósito e 1500 à área administrativa.

Líder alemã e um dos principais players mundiais em desenvolvimento, produção, venda e manutenção de produtos e equipamentos médicos e laboratoriais, a Sarstedt passa a produzir localmente tubos de transporte de sangue e o pioneiro sistema de coleta de sangue S-Monovette, de tecnologia única, aspiração e vácuo. Além de soluções completas de analíticos, coletas de amostras de urina, fezes, saliva e DNA, a alemã produz máquinas de automação e proporciona assessoria científica em suas 40 subsidiárias, com 14 fábricas, sendo que uma em construção na Rússia.

“O Brasil é considerado o 8º maior mercado de saúde no mundo e, além disso, vemos um envelhecimento da população nas regiões sudeste e sul, o que eleva o número de exames e análises clínicas”, adiantou o diretor geral da Sarstedt no Brasil, Jörg Dreisewerd. “Ao mesmo tempo percebemos um crescimento do acesso à saúde nas regiões norte e nordeste, fatores positivos para o negócio.”

Outro aspecto que fez a diferença na escolha do Brasil para sediar a nova fábrica foi o fato dos entraves de todo o processo de importação. “Queríamos dar mais segurança de fornecimento aos nossos clientes. Em toda nossa história essa empresa nunca deixou de atender nossos clientes e continuaremos agora com mais rapidez e flexibilidade”, explicou Dreisewerd.

Ainda segundo Dreisewerd, a linha S-Monovette é a principal da empresa e o Brasil é a única fábrica fora da casa matriz a fabricar esse produto. “A fabricação da linha S-Monovette exige uma complexidade muito alta e emprega nossa mais avançada tecnologia”.

Na inauguração, a presença de autoridades, clientes, colaboradores e os dirigentes alemães

Nesta primeira fase de produção, a fábrica brasileira poderá entregar até 100 milhões de tubos por ano do sistema S-Monovette e outros 100 milhões de tubos de transporte que já são produzidos. “Nossa fábrica foi projetada visando à expansão tanto da parte logística quanto da produção. A ideia é triplicar a capacidade instalada que temos hoje”, disse o diretor geral.

Dreisewerd revelou ainda que, apesar de ter capacidade de atender todo o mercado da América Latina, a unidade deverá, inicialmente, se voltar apenas para o mercado nacional, onde já possui grandes clientes  como o Hospital Albert Einstein, Diagnósticos da América, Siemens, Unimed, Instituto Hermes Pardini, Santa Casas, Fleury Medicina e Saúde, Laboratório Carlos Chagas (MT),  Hospital São Camilo (SP) e diversos hospitais e laboratórios, tanto públicos quanto privados.

O diretor garantiu que o objetivo é continuar conquistando novos mercados, pois há grande espaço para as soluções apresentadas pela empresa, produtos com alta tecnologia, muito precisos e que evitam desperdício. “Nos últimos anos tivemos crescimento de dois dígitos ao ano e a expectativa é crescer ainda mais, com a recuperação econômica do país.”

A Sarstedt patrocina a pesquisa científica, incluindo recentemente a detecção de Alzheimer por intermédio de saliva. A cada dois anos, oferece um prêmio no valor de 50.000 euros, concedido pela Sociedade Alemã de Química Clínica e Medicina Laboratorial (DGKL), para descobertas em análises clínicas que ofereçam avanços na medicina.

S-Monovette Series

Desenvolvido pela Sarstedt e considerado uma grande revolução na coleta de sangue, o método S-Monovette de aspiração ou vácuo é ideal para recolher sangue com base nas necessidades do paciente ou de acordo com as condições de suas veias. Tem a vantagem de ser um sistema fechado, híbrido, reduzindo uma série de problemas de qualidade na fase pré-analítica.

O processo de aspiração suave é útil em situações de colheita de sangue difíceis, frequentemente encontradas em oncologia, pediatria e geriatria, quando existem condições venosas difíceis. O S-Monovette elimina a necessidade de seringas descartáveis normalmente utilizadas nestas situações, evitando o risco de lesões por picadas de agulha. Os tubos são feitos de plástico e vêm com tampas de rosca, incluindo as versões oferecidas para coagulação.

Tags:

Grupo Sarstedt, S-Monovette, tubos de transporte de sangue

Compartilhe: