Da indústria farmacêutica às áreas ambiental e forense, estendendo-se a projetos de pesquisa e análises clínicas, um software LIMS pode atuar praticamente em todas as áreas laboratoriais, garantindo segurança de dados, total rastreabilidade dos processos, além de oferecer agilidade e qualidade em gestão

Um dos destaques do LabWare LIMS é a sua característica de adaptação conforme as necessidades vão surgindo

Por Milena Tutumi

O sistema de gerenciamento de informações laboratoriais, em tradução da sigla em inglês, é uma ferramenta que tem se mostrado fundamental em setores como na indústria farmacêutica, em que a alta rigorosidade dos processos exige excessivo controle. A amplitude de atuação do LIMS permite à indústria coordenar de forma minuciosa todas as fases da produção do medicamento: pesquisa de projetos, desenvolvimento analítico, controle de qualidade e testes clínicos com monitoramento de pacientes, por exemplo.

Esse extenso volume de funcionalidades é uma das características do LabWare LIMS, hoje uma das soluções mais completas do mercado, com cerca de 540 módulos desenvolvidos que atendem 150 mil usuários pelo mundo. “O LIMS é totalmente amigável. A ferramenta possui os módulos de boas práticas pré-configurados, mas sempre maleável para uma camada de configuração e customização, pois cada cliente tem a sua realidade”, explica Sileine Rodrigues, Executiva de Contas da americana LabWare.

O LabWare LIMS foi desenhado para controlar as especificações laboratoriais de diferentes mercados, para os determinados tipos de amostra e as diversas análises que cada uma necessita. Os instrumentos utilizados nos processos, os métodos e documentos também são controlados, permitindo a rastreabilidade e um preciso gerenciamento de cada etapa. “O sistema oferece informações sobre qualificação da equipe e materiais, determinando lotes, necessidade de reposição ou desperdícios”, enfatiza Sileine, mostrando a faceta do LIMS na total gestão das informações processadas no laboratório e um dos ganhos proporcionados pela sua implementação. Após a avaliação dos resultados, os dados são certificados e enviados para um ERP – software de dados e processos, que faz a conexão entre lote de produto e resultados.

LIMS para pesquisas

Se a utilização de sistemas LIMS já é recorrente no mercado laboratorial estrangeiro sendo parte das necessidades básicas da indústria há algumas décadas, no Brasil, a eficiência operacional promovida por esses softwares vem sendo descoberta aos poucos, mas Sileine informa que nos últimos quatro anos houve um crescimento favorável do segmento e cada vez mais os laboratórios de diversas áreas têm aberto as portas para esse tipo de tecnologia: “A LabWare possui clientes em indústrias de petróleo e mineração que precisam de total controle de processos e automação”, ilustra a executiva.

Outro dos segmentos mais diferenciados em que a LabWare vem consolidando sua presença é em pesquisa e desenvolvimento, como na área de biotecnologia. Para esse tipo de aplicação, a empresa desenvolveu o LabWare ELN, software que exerce o papel de um “bloco de notas”, permitindo aos usuários a documentação eletrônica de experimentos, inclusão de informações de conteúdo científico relevantes, observações, além de resultados de instrumentos e outros anexos como espectros e cromatogramas. Operando em conjunto com a flexibilidade do LabWare LIMS, permite o gerenciamento de projetos com grande volume de dados, especialmente para os laboratórios que estão distantes de um fluxo de rotina, quando o armazenamento e a organização de informações aleatórias são imprescindíveis. Os dados ficam à disposição para consulta e utilização pelos dois softwares.

Processo de implantação

Comprovadamente, laboratórios que optam pela implantação de um LIMS ganham em capacidade de produção, facilidade com auditorias, rastreabilidade de informações, redução de papelada, rapidez na execução de processos, qualidade, entre outros: “Isso sem contar a eliminação de anotações na interface com equipamentos evitando erros de transcrição, que representam os maiores gargalos na confiabilidade de resultados”, destaca Sileine.

A implantação de um sistema LIMS exige uma mudança de cultura dentro do cliente, além de uma empresa que seja parceira e apoiadora desse processo que, em média, consome no mínimo seis meses de trabalho. A LabWare, consolidada nesse segmento há mais de 30 anos, possui toda uma equipe exclusivamente dedicada ao negócio, dessa forma, consegue traçar estratégias específicas para cada cliente a partir das suas realidades individuais. Há casos também em que o cliente opta por adquirir uma versão standard e, conforme se familiariza com a ferramenta, amplia a atuação do sistema para outras áreas.

Um dos destaques do LabWare LIMS é a sua característica de adaptação conforme as necessidades vão surgindo, ou seja, novas configurações podem ser feitas no decorrer da implantação, com a revisão de conceitos e processos por parte do cliente. Essa plasticidade do sistema faz com que atualmente em torno de 80% de sua presença mundial seja decorrente da substituição de outros LIMS: “Os novos clientes nos procuram quando precisam crescer e não encontram soluções no mercado compatíveis em valor ou em tecnologia”, explica Sileine, que também assegura que até hoje, o LabWare LIMS ainda não foi substituído por nenhum outro no mercado mundial.

Um case: LabWare LIMS e Souza Cruz*

Com uma das maiores demandas analíticas do mercado, o laboratório da Souza Cruz situado no Brasil implementou o LabWare LIMS em 2005, quando a BAT (British American Tobacco), mantenedora do grupo, optou por adquirir a acreditação ISO 17025 em seus laboratórios e em todos os escopos de análises regulamentadas.

Naquele tempo, a gama de ensaios tangia apenas aos da rotina da fumaça – nicotina, alcatrão, monóxido de carbono – parâmetros que aparecem nas carteiras dos cigarros e precisam ser monitorados. E, assim como a grande maioria dos clientes da LabWare, a Souza Cruz optou pelo LIMS em substituição a outro sistema, pois vislumbrou nessa parceria a possibilidade de expansão, que foi muito além do imaginado na época: o atual escopo atingiu a complexidade de cerca de 450 análises. Além disso, foram requisitos fundamentais para essa escolha o atendimento e suporte oferecidos pela empresa, a capacidade em atender os requisitos da ISO 17025, a segurança da informação e restrição de acessos, entre outros.

Em 2011, a companhia demandou novo mapeamento do escopo do LIMS junto à LabWare, quando decidiu por desenvolver uma plataforma de atendimento à toda região nomeada Americas, integrando o laboratório do Brasil aos de Honduras, México, Chile e Venezuela. Dessa vez, o LabWare LIMS se destacou pela possibilidade de utilização de múltiplas línguas, emissão de relatórios e ao acesso aos desenvolvedores de produto.

Hoje, o Departamento de Ciência de Dados no setor de Pesquisa e Desenvolvimento da Souza Cruz possui uma equipe interna treinada e capacitada pela LabWare para desenvolver diversos tipos de atividades, desde as mais básicas, como inclusão de análises e relatórios, de etiquetas, templates de pedidos, de amostras e projetos, como as questões mais complexas e customizadas, permitindo às rotinas diárias muito mais flexibilidade e autonomia na utilização do sistema.

*Informações fornecidas pelo Coordenador de Ciência de Dados na Souza Cruz, no setor de Pesquisa e Desenvolvimento, Tiago Camargo Berti.

Compartilhe: