shutterstock_174196763

O projeto foi aprovado pelo Conselho de Ética da FMUSP com auxílio do sistema Motion LIS, da Inovapar, desenvolvido pela Touch Health

A citologia em meio líquido possui uma série de vantagens frente à citologia convencional por fornecer uma representação mais fidedigna do material colhido pelo médico e reduzir de forma significativa as interferências pré-analíticas. Atualmente, nos EUA, só são utilizadas amostras, como as de teste de Papanicolaou, em meio líquido. No Brasil, a Kolplast, empresa focada em produtos para saúde da mulher, que produziu pela primeira vez no mercado brasileiro o espéculo vaginal descartável, desenvolveu um kit para citologia em meio líquido e fechou parceria com o laboratório Genoa/LPCM, que detém, nacional e internacionalmente, reconhecida expertise e qualificação técnica nesta área, para fazer a avaliação e validação do material.

O projeto, que foi aprovado pelo Conselho de Ética da Faculdade de Medicina da USP no último mês de abril, contemplou uma pesquisa realizada pela Genoa/LPCM com 1.000 voluntárias, nas quais foram feitos testes com kit internacional, considerado “padrão ouro”, e com o kit da Kolplast, para comparação dos resultados. A Genoa/LPCM determinou uma série de parâmetros para avaliar a correta adequação da tecnologia citológica desenvolvida pela Kolplast em relação ao padrão vigente no mercado e a apuração estatística foi realizada no sistema Motion LIS, solução distribuída pela Inovapar e desenvolvida pela Touch Health que permitiu o controle total da operação pela Genoa/LPCM.

Inovapar

Dr. Luiz Heraldo Câmara Lopes, Presidente da Genoa/LPCM

Isto foi possível devido à proximidade existente entre a equipe do Motion LIS e o processo estabelecido pela Genoa/LPCM. “A equipe de desenvolvimento do Motion LIS conseguiu adequar a apresentação dos resultados de modo a tornar o processo descomplicado e facilmente acessível, o que nem sempre é possível no campo da Patologia, com suas tantas variáveis”, afirmou a Dra. Kátia R. M. Leite, Diretora Científica e Presidente do Conselho Técnico Cientifico da Genoa/LPCM e Patologista sênior do laboratório de Patologia do Hospital Sírio Libanês. O meio líquido do kit também permitiu processamento de exames de biologia molecular, de modo que a Genoa/LPCM pode realizá-los através de exitosa extração do DNA das amostras.

Como parte do mesmo projeto, a Kolplast solicitou estudo de eficiência da escova cervical utilizada nas coletas, com a intenção de apresentá-lo no processo validação do produto junto ao FDA (Food and Drug Administration/EUA). “O que parecia um ‘trabalho insano’ foi, em pouquíssimo tempo, solucionado e tornado simples pela equipe do Motion LIS, permitindo a análise e relatório de resultados obtidos em 500 pacientes”, afirmou o Dr. Luiz Heraldo Câmara Lopes, Presidente da Genoa/LPCM. O projeto, adjetivado como “luminoso” pelo Dr. L.H. Câmara Lopes, já foi encaminhado para a agência americana para certificação.

Tags:

citologia em meio líquido, Genoa/LPCM, Kolplast, sistema Motion LIS

Compartilhe: