dna_freedigitalphoto

Uma estrutura diferenciada foi montada para esse projeto colaborativo, que terá equipe interdisciplinar para a realização de pesquisa biomédica, reunindo competências em bioinformática, genética, ciências, proteínas e biologia do câncer. foto: freedigitalphoto

Identificar os genes causadores de um dos grupos mais agressivos da leucemia linfoide aguda, conhecido como BCR-ABL1-like, é a meta do projeto de pesquisa internacional inovador que começa em agosto. Esse subtipo de leucemia é caracterizado pela ativação das proteínas quinases, responsáveis pela transmissão de sinais intracelulares.

O estudo colaborativo é coordenado pelo professor Paulo Arruda, do Departamento de Genética da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e tem as parcerias do pesquisador José Andres Yunes, do Centro Infantil Boldrini, de Campinas (SP), e do professor Xinghua Mindy Shi, do Departamento de Bioinformática e Genômica da Universidade da Carolina do Norte em Charllote (UNC Charllote), nos Estados Unidos.

Assim como nosso corpo, as células têm “sistemas sensoriais” formados por proteínas que recebem e interpretam informações externas e internas. A LLA do tipo BCR-ABL1-like é caracterizada por mutações gênicas nesses circuitos de sinalização celular. Segundo o doutor José Andres Yunes, “é justamente o excesso de estímulo celular causado pelas mutações que contribui para o surgimento desse tipo de leucemia, assim como a sua maior resistência ao tratamento quimioterápico. Daí a necessidade de buscar novas drogas para bloquear os circuitos defeituosos”.

Uma estrutura diferenciada foi montada para esse projeto colaborativo, que terá equipe interdisciplinar para a realização de pesquisa biomédica, reunindo competências em bioinformática, genética, ciências, proteínas e biologia do câncer. O estudo orçado em 40 mil dólares conta com recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa (Fapesp) e da UNC Charlotte.

De acordo com dados estatísticos internacionais, a LLA é o câncer mais comum diagnosticado em crianças e representa aproximadamente 25% dos diagnósticos de câncer entre crianças menores de 15 anos. A LLA é um câncer agressivo que decorre de defeitos de maturação e proliferação exacerbada de células progenitoras do sangue.

Os pesquisadores vão combinar os seus conhecimentos de computação e de ciências biomédicas e desenvolver uma caracterização abrangente de proteínas quinases hiperativadas na LLA do subtipo BCR-ABL1-like. Espera-se identificar e validar novos alvos para o desenvolvimento de fármacos com atividade antileucêmica.

A integração de análises de bioinformática com estudos experimentais tem demonstrado ser uma estratégia poderosa para fazer avançar a compreensão das doenças. É esperado que o sucesso desse projeto ajude a melhorar o tratamento da leucemia e de outros tipos de câncer.

 

Planejamento da pesquisa

Agosto 2015
Início do Projeto On-line

Outubro 2015
Oficina de Projetos Unicamp/Boldrini ou UNCC

24-25 abril 2016
Publicação e Apresentação Pôster Infância Leucemia Simpósios, Grécia

Maio 2016
Publicação e Apresentação Pôster Biologia da reunião Genomas, Cold Spring Harbor, NY, EUA.

Junho 2016
Conclusão do Projeto Encontro e Oficina Unicamp/Boldrini ou UNCC

Tags:

BCR-ABL1-like, Centro Infantil Boldrini, leucemia linfoide aguda, pesquisa biomédica

Compartilhe: