A Stago, tradicional empresa que atua na indústria de diagnóstico in vitro, recebeu no Hemo 2017, no sábado dia 11/11, três renomados especialistas – dois brasileiros e um internacional – para a abordagem do tema: A importância dos marcadores de fibrina na prática clínica e contribuição para diagnóstico, prognóstico e decisão terapêutica.

O professor Cheng-Hock Toh, da Universidade de Liverpool, uma das maiores autoridades mundiais no estudo dos pacientes com coagulação intravascular disseminada (CIVD), discorreu sobre a contribuição de marcadores de fibrina no manejo e prognóstico de pacientes com quadro de sepse.

O doutor em epidemiologia clínica pela Universidade LUMC da Holanda e coordenador do Ambulatório de Hemostasia do HC da UFMG, Daniel Dias Ribeiro, falou sobre Dímero-D: avaliação de risco e recorrência de tromboembolismo.

Já o doutor em medicina pela USP, hematologista, onco-hematologista e patologista clínico, vice-presidente do Grupo Cooperativo Latino-Americano de Hemostasia e Trombose (CLAHT) e coordenador médico do Laboratório de Hematologia, responsável pelo Setor de Coagulação do Departamento de Patologia Clínica do Hospital Israelita Albert Einstein, João Carlos Guerra, destacou a importância dos testes de fibrinólise na prática clínica.

As apresentações aconteceram durante o Simpósio Corporativo promovido exclusivamente pela Stago durante o Hemo 2017 para médicos e outros profissionais da área da saúde, que lotaram um dos auditórios do Expotrade Convention Center, em Curitiba (PR). Depois das apresentações, houve uma concorrida rodada de perguntas e respostas com intensa participação do público.

“Temos um grande futuro do ponto de vista clínico e laboratorial”

Dr. Guerra destacou que o Dímero-D tem um valor muito importante no cenário do tromboembolismo venoso. E citou um exemplo: “Quando um paciente tem um risco clínico moderado ou baixo para trombose e faz o Dímero-D com resultado normal, praticamente excluímos a possibilidade de tromboembolismo venoso”.

O especialista defendeu a necessidade da validação de novos testes vinculados à atividade fibrinolítica na prática clínica. Ele citou como exemplo o ativador tecidual do plasminogênio, o inibidor do ativador do plasminogênio I e II e o inibidor da fibrinólise induzida pela trombina (TAF).

“Esses novos testes podem nos auxiliar principalmente no cenário em que os pacientes estejam com infecções graves em septicemia na terapia intensiva, orientando para o tratamento mais eficaz. Vamos introduzir protocolos clínicos e de diagnóstico, já adotando esses testes como rotina”, explicou o Dr. Guerra. Ele acrescentou, no entanto, que “poucos serviços no mundo usam esses testes”. No Brasil, “vem trabalhando pioneiramente na implantação de protocolos clínicos e laboratoriais, no sentido de aproximar as necessidades e segurança do paciente com a prática clínica e assistencial”.

Para sair do empirismo e salvar pacientes, o palestrante disse que é fundamental o diagnóstico precoce e correto. ”Acho que temos um futuro imenso do ponto de vista clínico e laboratorial.”

Stago na vanguarda  

Sobre os produtos e serviços oferecidos pela Stago, Dr. Guerra destacou a importância da linha Dímero-D e do ensaio quantitativo e totalmente automatizado para a determinação de monômeros de fibrina. E que é grande a expectativa em relação aos novos testes de fibrinólise que estão chegando ao Brasil. Ele falou sobre a tromboelastometria e o teste de geração de trombina, exclusivo da Stago, que “vão auxiliar no diagnóstico de pacientes com risco trombótico ou hemorrágico”. A Stago é uma das empresas que validam esses testes no Brasil.

Qualidade de vida e economia

O palestrante destacou a necessidade do diagnóstico precoce para a definição do tratamento mais adequado como fator decisivo para o melhor desfecho e qualidade de vida do paciente. Também lembrou que o uso dessas ferramentas baseadas em protocolos clínicos e laboratoriais também contribui para a redução dos custos do tratamento, que “são altíssimos pela própria característica da doença”.

Tags:

HEMO 2017, marcadores de fibrina, Stago

Compartilhe: