Laboratório Genômico e Biobanco contribui para maior precisão no diagnóstico precoce e tratamento do câncer infantojuvenil. Este será o primeiro biobanco do Paraná. Estima-se que a capacidade de armazenamento será de até 230 mil amostras

Pelé

Com 390 leitos, o Pequeno Príncipe faz 323 mil atendimentos ambulatoriais, 24 mil internações, 577 mil exames e 17 mil cirurgias ao ano

Referência nacional no atendimento infantil, o Hospital Pequeno Príncipe anunciou a nova unidade que irá compor o Instituto de Pesquisas Pelé Pequeno Príncipe: a Unidade de Diagnóstico Avançado e Pesquisa em Saúde, obra feita com recursos estaduais e federais. Na manhã deste sábado (19) foi feita a visita para entrega do prédio com a presença do secretário de Estado da Saúde, Michele Caputo Neto, da vice-governadora Cida Borghetti, do ex-jogador de futebol, Pelé, e demais autoridades.

A estrutura vai abrigar o Laboratório Genômico e Biobanco que contribuirá para maior precisão no diagnóstico precoce e tratamento do câncer infantojuvenil. Este será o primeiro biobanco do Paraná. Estima-se que a capacidade de armazenamento será de até 230 mil amostras.

“O governo do Paraná sempre apoiou este importante hospital. Realizar o diagnóstico precoce e iniciar o tratamento de maneira ágil é essencial para que possamos diminuir ao máximo os números desta terrível doença”, afirmou Caputo Neto.

Cerca de 70% da capacidade de atendimento do Pequeno Príncipe é destinada aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS). Além do tratamento oncológico, o hospital também oferece de consultas ambulatoriais a tratamentos complexos, como transplantes de rim, fígado, coração e ossos.

“O Paraná é um dos estados que mais investe em saúde no país. O Hospital Pequeno Príncipe é a prova de que estes investimentos fazem a diferença. Quanto maior a rapidez e agilidade ao diagnosticarmos o câncer em crianças e adolescentes, maiores serão os efeitos positivos do tratamento em longo prazo”, destacou a vice-governadora Cida Borghetti.

Com 390 leitos, o Pequeno Príncipe faz 323 mil atendimentos ambulatoriais, 24 mil internações, 577 mil exames e 17 mil cirurgias ao ano, o que faz com que seja o maior hospital de média e alta complexidade exclusivamente pediátrico do país.

O diretor executivo do Hospital, José Álvaro Carneiro, frisou que nos últimos quatro anos, a instituição recebe crianças de todos os estados do Brasil em busca de tratamento oncológico. Por isso, nos primeiros meses de funcionamento, a nova unidade receberá apenas um grupo de pacientes de alta complexidade que já está em tratamento, e a partir do segundo semestre de 2018, os serviços serão oferecidos a crianças de todo o Brasil.

“O dia de hoje nos coloca em um novo patamar tecnológico. Com esta unidade teremos diagnósticos complexos e proporcionar o atendimento adequado àquelas crianças que estão sofrendo”, disse Carneiro.

Investimento

Anualmente, o Hospital Pequeno Príncipe recebe do Governo do Estado o repasse de R$ 3,12 milhões pelo Programa de Apoio e Qualificação de Hospitais Públicos e Filantrópicos do SUS Paraná (Hospsus). Além disso, em 2012, a secretaria estadual da Saúde repassou uma ambulância de remoção para a unidade, no valor de R$ 100 mil.

As obras do Laboratório Genômico e Biobanco resultaram em um investimento de aproximadamente R$13,6 milhões, dos quais cerca de R$ 9,9 milhões vieram do Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon) e cerca de R$ 1,95 do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES).

Pelé

Ídolo de muitas gerações, Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, possui grande histórico na luta pela saúde e melhores condições de vida de crianças e adolescentes.

Desde 2005, através de parceria entre o ex-jogador e o hospital, o Instituto de Pesquisas Pelé Pequeno Príncipe desenvolve pesquisas da área básica e clínica em doenças complexas da infância.

“Desde o começo da minha carreira sempre tive a felicidade de jogar em times vencedores. E este time que luta contra o câncer infantojuvenil não é exceção. Todos precisam fazer a sua parte em prol da saúde das crianças”, afirmou Pelé.

Tags:

Hospital Pequeno Príncipe, Laboratório Genômico e Biobanco

Compartilhe: