sãolucas

Uma das estratégias já implantadas para atingir a máxima precisão no diagnóstico é a utilização de química seca nos testes de bioquímica

O Hospital São Lucas da PUC-RS inaugurou no dia 04 de agosto o novo espaço de seu laboratório de patologia clínica que está distribuído em uma área de 655 metros quadrados.

A cerimônia foi realizada com a presença do Reitor da PUCRS, Ir. Evilázio Teixeira; do Vice-Reitor, Jaderson Costa da Costa; do superintendente do Hospital São Lucas da PUCRS (HSL), Matteo Baldisserotto; diretores e profissionais da Universidade e do Hospital. Baldisserotto ressaltou a capacidade de dobrar a produção de exames realizados, que somaram 2 milhões em 2016. Disse também que a área ficará completa com a instalação futura do Laboratório de Anatomia Patológica, que ocupará 200 metros quadrados.

Para a coordenadora técnica e administrativa do Laboratório, Dra. Myriam Fortes Perrenoud, a nova estrutura é a concretização de um sonho de 20 anos, que tem como diferencial a utilização da química seca, considerada o melhor em termos de qualidade.

O Reitor da PUCRS destacou que o laboratório “muito contribuirá para a dimensão do ensino dos nossos estudantes, qualificando cada vez mais a Escola de Medicina e todos os cursos que envolvem a área da saúde”.

O laboratório deve passar a funcionar no local dentro de duas semanas, com a transferência dos equipamentos. O serviço atende pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), convênios e particulares; e possui cinco grandes divisões: hematologia, bioquímica, imunologia, microbiologia e biologia molecular. Nesse novo espaço, haverá uma integração das três primeiras áreas, prática alinhada ao que é feito nos laboratórios mais modernos.

Outras novidades são a seção de triagem pré-analítica, onde são realizadas a centrifugação e a distribuição dos materiais para as áreas técnicas, assim como a ampla soroteca, para o armazenamento das amostras após sua utilização.

Uma das estratégias já implantadas para atingir a máxima precisão no diagnóstico é a utilização de química seca nos testes de bioquímica. Esse processo é considerado o mais seguro e exato, além de não ser prejudicial ao meio ambiente. O HSL, no momento, é o único entre os hospitais de Porto Alegre a utilizar essa metodologia, que não usa reagentes líquidos, mas uma pequena lâmina formada por várias camadas de reagentes sólidos e filtros que diminuem possíveis interferentes.

O HSL passa a contar com um departamento próprio de Biologia Molecular, permitindo o atendimento mais rápido das necessidades de médicos e pacientes. Esse é um dos segmentos de diagnóstico mais exato, por realizar testes de Reação em Cadeia Polimerase (PCR) baseados na análise de DNA e RNA para o diagnóstico de patologias. Inicialmente, irá atender as especialidades médicas de Pneumologia, Oncologia e Infectologia.

As renovações não vão parar após a inauguração. Está prevista para outubro a chegada de equipamentos para a formação de um parque tecnológico em parceria com a Ortho Clinical Diagnostics, antigo braço da Johnson voltado ao diagnóstico e adquirido pelo Carlyle Group. Um módulo pré-analítico recebe as amostras e, através de um software inteligente, gerencia a sua organização e distribuição através de uma esteira que integra as máquinas. Haverá também um módulo refrigerado que guarda os materiais (soroteca) após a finalização do procedimento analítico. “Com essa configuração na gestão da imunoquímica, temos a expectativa de fazer um número muito maior de testes por hora, mantendo a segurança e a qualidade na entrega dos resultados. Para isso, contamos com um grupo qualificado de profissionais que, junto com as suas chefias, gerenciam os algoritmos adequados para a programação dos equipamentos”, explica a coordenadora técnica e administrativa do Laboratório, Dra. Myriam Fortes Perrenoud.

A equipe é composta por especialistas, mestres e doutores. São 94 pessoas entre farmacêuticos, farmacêuticos bioquímicos, biomédicos, técnicos, enfermeira, coletadores, encarregada, assistentes e auxiliares administrativos, além da coordenadora e chefias de área. A qualificação do grupo faz a diferença e eleva o nível do trabalho entregue para a sociedade.

 

Tags:

Hospital São Lucas da PUC-RS, laboratório de patologia clínica, química seca

Compartilhe: