Artigo de pesquisadores da Unesp é publicado em revista internacional

Utricularia_reniformis_wikipedia

A angiosperma carnívora Utricularia reniformis passa a ser a primeira espécie nativa e endêmica do Brasil a ter o seu genoma mitocondrial apresentado para a ciência

Laboratório da Unesp de Jaboticabal acaba de publicar o genoma mitocondrial de uma planta brasileira.  “Trata-se do primeiro genoma de mitocôndria de planta endêmica do Brasil e realizada por laboratório também brasileiro”, informa Vitor Fernandes Oliveira Miranda, professor do Departamento de Biologia Aplicada à Agropecuária da Unesp de Jaboticabal, um dos autores de artigo sobre a pesquisa, que pode ser acessada aqui.

Miranda explica que o genoma de todo organismo está codificado no DNA e armazenado não apenas no núcleo de cada célula, mas sim também em organelas como as mitocôndrias, que são os reatores energéticos celulares, e também nos cloroplastos, presentes basicamente nas plantas.

Apesar dos genomas mitocondriais terem um padrão mais ou menos comum para os animais, as mitocôndrias de plantas apresentam genomas com arquiteturas distintas para cada grupo ou espécie. Como praticamente não existe um padrão de referência, sequenciar e montar os genomas mitocondriais para plantas é sempre um grande desafio.

Por isso poucas espécies de plantas têm sua mitocôndria conhecida. E, pela primeira vez em um laboratório de pesquisas do Brasil, o genoma mitocondrial de uma planta é sequenciado e montado. E trata-se de uma espécie de planta carnívora nativa e endêmica – ela é totalmente brasileira.

De todos os genomas de mitocôndrias de plantas já sequenciados, que representam 195 algas e plantas terrestres, apenas 19 espécies são brasileiras. Destas 19, até então, apenas duas espécies de angiospermas estavam nessa lista. Assim, a angiosperma carnívora Utricularia reniformis passa a ser a primeira espécie nativa e endêmica do Brasil a ter o seu genoma mitocondrial apresentado para a ciência.

A maioria das espécies com genomas sequenciados são modelo – como a Arabidopsis – de estudos ou plantas de importância econômica – como o arroz.

O trabalho foi publicado na Plos One no dia 19 de julho e faz parte dos projetos de pesquisas liderados pelos Profs. Alessandro de Mello Varani (Departamento de Tecnologia) e Vitor Fernandes Oliveira Miranda (Departamento de Biologia Aplicada à Agropecuária) da Unesp/ FCAV de Jaboticabal. O trabalho tem como primeiro autor a doutoranda Saura R. Silva (Unesp/ IBB de Botucatu), tendo também como autores os Profs. Daniel G. Pinheiro e Marcos T. Oliveira, Camila C. Fernandes, Danillo O. Alvarenga, Helen A. Penha, Yani Aranguren (egressa da Unesp/ FCAV e professora da Universidad Simón Bolívar, Colômbia) e Todd P. Michael (J. Craig Venter Institute, EUA). Os projetos são financiados pela Fapesp.

O grupo de pesquisa dos Professores Miranda e Varani pretende sequenciar os genomas nucleares, plastidiais e mitocondriais e transcritomas (a parte expressa do genoma na forma de RNA mensageiro) de diversas espécies de utriculárias e outros representantes de plantas carnívoras, com a finalidade de compreender os mecanismos moleculares e evolutivos que regem a biologia destas plantas.

Miranda esclarece ainda que as espécies de lentibulariáceas, família que compreende as utriculárias, apresentam os menores genomas conhecidos de todas as plantas, tendo um genoma inclusive bem menor (até quatro vezes menor) do que o da “drosófila dos botânicos” Arabidopsis.

Utricularia reniformis é uma espécie de planta carnívora que ocorre apenas no Brasil, nas regiões sul e sudeste. Apresenta armadilhas na forma de pequenas vesículas (alguns milímetros) que capturam pequenas presas, geralmente microcrustáceos, insetos e pequenos vermes. Sua armadilha funciona por sucção, pela qual a presa e sugada e digerida.

Tags:

genoma mitocondrial, Utricularia reniformis

Compartilhe: